terça-feira, 23 de abril de 2013

Jornalismo à Capela

Exmos srs.

Ao navegar pela Internet, fui confrontado por um editorial assinado pelo vosso director Vítor Serpa, onde se pode ler o seguinte:

a televisão tem trazido benefícios e malefícios ao Futebol. do lado do "mal" está alguma subversão do espectáculo, sobretudo quando é visto por dezenas de olhos das câmaras colocadas em lugares estratégicos e que concorrem deslealmente com os dois olhos do árbitro, pobre humano falível.

na verdade, o futebol de televisão é o futebol dos 1001 penalties e das discussões absurdas, porque o que se vê em casa nem sempre se pode ver no estádio.

Vem este editorial a propósito da arbitragem de João Capela no último Benfica-Sporting. Dada a celeuma provocada por um declive no relvado, capaz de fazer o cenário inclinado do programa "Vale Tudo" corar de vergonha, Vítor Serpa, motivado por uma súbita e nunca antes vista solidariedade para com os árbitros, ou então, por ordens superiores, escreve um editorial onde tenta desesperadamente desculpar a desastrada actuação do árbitro lisboeta no último derby. Nada disto seria digno de registo, não fosse o jornal dirigido por Vítor Serpa conhecido por fazer manchetes com erros de arbitragem. Todos nos lembrámos do "FORA DE JOGO" estampado na primeira página do jornal, aquando do golo de Maicon na Luz, do "Xistra decide o que estava decidido", por ter sido o único árbitro a ter a coragem de expulsar Javi Garcia, após mais uma das suas inúmeras agressões, ou "Benquerença trava Benfica", após uma derrota vermelha em Guimarães. Em todos estes casos, Vítor Serpa escondeu cuidadosamente os seus simpáticos sentimentos para com as equipas arbitragens. Em todos estes casos, Vítor Serpa não se abespinhou com o futebol da televisão. Aliás, até permitiu que o vosso jornal fizesse uma manchete com, pasme-se, imagens retiradas da transmissão televisiva, com linhas de fora-de jogo e tudo!!!

Em todos estes casos, o jornal ABola não se coibiu de julgar os árbitros, de usar as tão criticadas imagens televisivas a seu bel-prazer. Quando não interessou, tratou-se logo de desculpar o árbitro de uma forma mesquinha.

E acho que todos concordamos que mais vale ter dezenas de câmaras a escalpelizar a verdade e a mostrar o que realmente se passou, do que meia-dúzia apontadas para o tecto e uma manchete de ABola a inventar que Helton, Fucile e Cristian Rodriguez agrediram stewards no obscuro túnel da Luz.

Mas isto no fundo, pode chamar-se de jornalismo à Capela: parcial, incoerente e adulterador da verdade. Já ABola é o Maxi Pereira do jornalismo. Dia após dia infringe as regras e nunca é punida.

Com os melhores cumprimentos,
João Ferreira

Notas: Agradeço ao Tomo II, a citação do editorial.

3 comentários:

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...


caríssimo João,

não tem nada que agradecer.
aliás, eu é que tenho que estar grato pela informação disponibilizada lhe poder ser útil :D

abr@ço
Miguel | Tomo II

Tasqueiro Emigrante disse...

Muito bom artigo.

Adicionem o nosso blog:

http://tascadepalmeira.blogspot.com

Contra o clube do regime. Sem medos e pela verdade desportiva! Cumps.

reine margot disse...

Cada vez mais bem escritos estes emails!

Adorável o declive do relvado e a frase conclusão!

Muito bom mesmo!